terça-feira, 16 de outubro de 2012

Tema: O medo


Objetivo Evangélico :

Levar as c rianç as a c ompreenderem o que signif ic a o medo, quan d soe notimos,

porque sentimos medo, do que temos medo e c omo lidar c om ele. Levá- los a entender que nunc a estamos sós,

sempre temos Deus ao nosso lado, nossos anjos guardiães, que embora invisíveis para nós, sempre estão presentes

em nossa vida através da bondade divina de Deus nosso Pai, somos sempre amparados mesmos nos momentos de

grande dific uldade e medo.


Para os Pequenos:


1) História O que tem dentro do ovo? ( T elma Guimarães Castro de Andrade)

2) A história será passada c om dramatizaç ão dos professores. Fizemos um Grande Ovo de papel marc hé, aberto

ao meio, e c oloc amos lá dentro o ornitorrinc o, também feito por nós. Fizemos um pequeno burac o por onde

passávamos as c oisas para ele, toda, as c rianç as partic iparam perguntando também e interagindo c om o ovo. Foi

muito lega !

3) Reflexões : Porque o ornitorrinc o não queria sair de dentro do ovo?

Porque ele tinha medo de sair de dentro do ovo?

Como o menino fez c om ele c onfiasse nele?

Quando ele saiu do ovo foi bom?

4) Explic aç ão do T io Gaspar no Livro Se Ligue em Voc ê.

Existe uma luzinha em nosso peito. Uma luz que os olhos não vêem, mais que podemos sentir. Quando ela se

ac ende aparec em sentimentos bons em nosso peito e fic amos muito alegres. Quando ela se apaga tudo parec e

mais feio e voc ê fic a triste. Ela se ac ende quando pensamos positivo, quando temos boas atitudes, quando

fazemos algo de bom.

Mais muitas vezes nós deixamos nossa luzinha se apagar. Quando ela se apaga voc ê sente MEDO.

O medo aparec e quando voc ê pensa que uma c oisa ruim pode ac ontec er c om voc ê ou alguém de quem voc ê

gosta. Quando voc ê tem Coragem a luzinha volta a se ac ender. Coragem é o nome que se dá ao sentimento que

ac ontec e quando voc ê ac redita que só c oisas boas vão ac ontec er c om voc ê e c om os outros. Muitas vezes, a

gente não gosta de ir ao quarto sozinho, porque está esc uro. Nós temos medo do esc uro. A gente fic a

imaginando que tem c oisas feias lá. Assim, fic amos tristes, pois apagamos nossa luzinha do peito. Mas é só

imaginaç ão. Na nossa c abeç a, podemos inventar de tudo. Se voc ê imagina que está vendo um c ac horro, voc ê

desenha o c ac horro dentro da sua c abeç a. Mas o c ac horro não está lá de verdade é só imaginaç ão. Medo é só

imaginaç ão.

Da próxima vez que voc ê sentir medo, não deixe sua luzinha se apagar. Pense que no esc uro tem muitas

luzinhas invisíveis e alegres mandadas por Deus nosso Pai que estão lá p parroateger voc ê. Entre no esc uro

c om c oragem e se sentirá feliz. Quando voc ê sentir medo de qualquer c oisa, pense assim: "T odo esse medo é só

imaginaç ão", " eu sou c orajoso", e a luzinha se ac enderá c heia de brilho.

4)Fazer o fec hamento que todos devemos lembrar da Prec e no momento das nossas dific uldades maiores.


Vivência Evangélica


V: amos dar outro Final para a História do que tem dentro do ovo?

Realizar pintura c oloc ando na ordem a História Sequenc iada.

A História :

O QUE TEM DENTRO DO OVO?

Vovó Letíc ia resolveu fazer um bolo de c hoc olate. Então ela tirou 3 ovos da geladeira, c oloc ou o leite para

ferver junto c om a margarina. Pegou a farinha e quando proc urou pelo fermento não enc ontrou.

_ R afael venha c á, f ique tomando c onta do bolo enquanto eu vou na quitanda c omprar fermento.

Fiquei pensando oh negóc io besta esse, fic ar tomando c onta de um bolo que ela nem tinha c omeç ado, se esse

bolo tivesse pronto e guardar ele dentro da minha barriga, isso sim. Então perguntei:

_ V ó é para tomar c onta do quê ?

_ D os ovos, ora. Parec e que tem um ovo meio diferente aí no meio. E saiu.

Fiquei olhando os ovos, peguei o ovo que ela disse que parec ia estar diferente, c hoc oalhei. Será que é um

ovo de pata? Perguntei:

_ T em gente ? disse brinc ando. . .

_ E o ovo respondeu : T em ! A minha voz quase sumiu de susto. Peguei o ovo c om c uidado e fui para

um quartinho nos fundos do quintal. Coloquei ele numa vasilha c om um pano dentro c om todo c uidado

para não quebrar.

_ O i ovo eu sou o Rafael ! T udo bem c om voc ê? O ovo não respondeu estava mudo, será que eu

tinha sonhado. Ouvi um barulho, vovó estava voltando.

_ V ovó o ovo falou c omigo. Iss o as vezes ac ontec e f ilho. Mas, vó ele só falou uma vez ! O que é que

eu faç o para ele falar c omigo de novo ?

_ O ra f ilho use a sua imaginaç ão. Melhor c oisa não há !

Passei três dias tentando fazer c om que o ovo falasse c omigo, No quinto dia dia tive uma idéia. Peguei uma

c anetinha e desenhei uma porta no ovo. Em c ima da porta eu esc re

pvoir ta ,para fic ar bem c laro o que era.

_ P ronto ! Agora voc ê já pode sair ! Eu disse em voz alta.

_ P or quê ? a vozinha perguntou lá de dentro.

_ P o rque eu já desenhei a porta ! eu respondi todo feliz. Bem que a minha vó disse, temos que usar

nossa imaginaç ão.

_ A qui tá esc uro, não dá pra ver nada. Ele rec lamou. Eu tive vontade de rir mais aguentei f irme.

_ V ou fazer uma lanterna bem pequenininha pra voc ê, tá bom?

_ T á, vai.... É o jeito ! Fiz a lanterna abri uma janelinha e joguei lá dentro.

_ E aí deu para pegar ?

_ D e u vê se da próxima vez que for jogar alguma c oisa joga c om mais c uidado quase me arranc ou a

c abeç a.

_ V oc ê está muito bravo. Deu para ver alguma c oisa? Está vendo a palavra porta ?

_ N ão dá para ver quase nada, tudo aqui é muito apertado. De mais a mais, não sei ler. . .

_ V o u fazer uma c artilha para voc ê aprender, daqui de fora vou te explic ando. Vamos vê se voc ê

para de enrolar e sai logo aí de dentro. Não sei do que voc ê tem medo.

Fiz c oloquei pelo buraquinho e depois de três dias de treino, ele já sabia ler algumas c oisas, mas rec lamava

muito.

_ A s letras são muito miudinhas.

_ T á bom vou fazer um óc ulos para voc ê. Levei um tempão para fazer uns óc ulos mic rosc ópic os para

ele. E aí c onsegue ler ?

_ M e l horou ! Ele foi c urto e grosso. Fo-me. Ele soletrou a primeira pala v Fruai. até a c ozinha e

peguei alguns doc es e bolo para ele c omer. Logo depois ele esc reveu um bilhetinho, e mandou pelo

buraquinho, prec isei de uma lente aumento.


Em primeiro lugar, sou um bebê. Em segundo não tenho dentes... Em terceiro, os doces acabaram

e ainda estou com fome ! Será que não tem um pudim de minhocas ou uma sopa de lesmas ?



Então fui no quintal peguei umas minhoc as, fiz um c reme e c oloquei no buraquinho. Ele adorou. Dois dias depois

voltei a perguntar.

_ C omo é, vai sair ou não vai?

_ E u não ! ele respondeu. _ T á tão bom aqui dentro. E depois, vai que eu saio e voc ê me

c ome, feito aquela história do Chapeuzinho Vermelho, que li num livro que voc ê me deu.

_ P u x a voc ê está c om medo de mim e do mundo aqui fora ? Será que e u tt e nho c ara de

monstro ? Perguntei.

_ N ão sei. . . Não dá para ver daqui de dentro ! Ele respondeu.

Fiz então o meu retrato e c oloquei no burac o. Enquanto ele via o meu retrato falei.

_ D e repente o monstro é voc ê, vai sabe r !Depois de alguns minutos ele jogou um papelzinho.


Esse sou eu. Tenho cara de monstro ? Fala, conta a verdade! Nem eu sei ! Não me achei em nunhum

livro que você me deu. Assinado. O que tem dentro do ovo.



O pior é que nem eu sabia. Corri para falar com a vovó.

_ V o vó, meu amigo tem Bic o parec ido c om o de pato. Patas de dedos ligados por peles, c omo as de

patos. Põe ovos c omo a pata, mas o filhote mama o leite da mamãe. O mais importante: não é pato.

_ A h, o seu amigo é um or- ni- tor- rin- c o. Ela disse c om todas as letras.

_ C o rri para c ontar ao meu amigo, ele estranhou um pouc o um nome tão c omprido. Ainda assim tive

um trabalhão danado para c onvenc er ele que o mundo aqui fora não era tão perigoso assim, que existiam

amigos em quem ele podia c onfiar, que eu estaria do seu lado. Até que ac abei c onvenc endo meu amigo e ele

quebrou o ovo e saiu. Dec idimos que c hamaríamos ele por outro nome, assim o chamamos INCO.

INCO ac hou o mundo aqui fora maravilhoso. Ele fic ou tão feliz que agora dec idiu ajudar todos as pessoas que

sentem medo a desc obrirem as c oisas maravilhosas que a vida tras, assim ele resolveu esc rever um livro. O livro

c onta a história de um monstro meio bonzinho.

Advinhem o nome do livro ?


O QUE TEM FORA DO OVO ?



(c hegou- nos sem menção de autoria ou fonte, se souber qual seja, por favor, nos informe a fim de que

possamos dar os devidos c réditos)